ESTUDO DIRIGIDO SOBRE - DENTES PREMOLARES

(tenha à mão o livro Anatomia do Dente)

Estudo dirigido sobre premolares superiores

Lembrar que quanto maior for o número de sentidos estimulados, maior é a chance de aprender; mas aqueles que aprendem melhor pela visão devem ler, fazer anotações, usar esquemas, desenhos, ilustrações, construir imagens mentais, escrever. Aqueles que aprendem melhor pela audição devem ficar atentos às aulas expositivas, às explicações no laboratório, estudar lendo em voz alta, debater com os colegas.

Este estudo dirigido fecha o subcapítulo sobre premolares superiores, que você já deve ter estudado de outra forma (assistindo a aulas expositivas com ou sem projeções de figuras, acompanhando explicações laboratoriais, desenvolvendo o Guia de estudo do livro Anatomia do Dente, examinando macromodelos, fazendo desenhos e/ou esculturas dentais, etc.).

O propósito é oferecer a você um momento solitário de aprendizado final do assunto que, ao mesmo tempo, servirá de teste de seus conhecimentos prévios.

Portanto, não se começa por este estudo. Termina-se por ele.

O primeiro premolar superior (1PS) apresenta uma face oclusal para triturar alimentos. Até este ponto do estudo você só viu bordas incisais para cortar alimentos.

Pela vista vestibular ele se parece com um canino superior um pouco menor, porque seus contornos são semelhantes.

A cúspide vestibular é mais volumosa que a lingual, de tal modo que esta fica totalmente coberta pela primeira por esse aspecto vestibular. Pelo aspecto lingual isto logicamente não ocorre, conforme pode ser visto na Fig. 2-12.

O segundo premolar (2PS) reproduz a forma do 1PS, com a diferença de ser menos anguloso nas uniões das bordas ou das faces. Suas duas cúspides são equivalentes em volume, sendo que na vista lingual nenhuma porção da cúspide vestibular pode ser distinguida ao fundo (Fig. 2-15).

Olhando apenas por vestibular, é uma tarefa árdua reconhecer os lados de contato desses dentes. Alguns espécimes exibem uma borda mesial notadamente mais reta e mais alta, o que facilita a tarefa de reconhecimento, mas outros não.

Um detalhe interessante é a presença de um sulco de desenvolvimento entre os lobos central e mesial no primeiro premolar; este sulco raso e relativamente largo termina no segmento mesial da aresta longitudinal, promovendo aí uma pequena reentrância.

O livro que estamos seguindo não traz nenhuma fotografia deste detalhe, mas você pode procurá-lo entre seus modelos de estudo ou os de seus colegas e professores.

Além do maior tamanho de sua cúspide vestibular, os premolares também se encaixam dentro daquela condição geral das faces de contato convergirem para a lingual, no sentido horizontal. Portanto, a face lingual tem que ser menor que a vestibular, o que é melhor notado no primeiro premolar. Submeta a exame dentes secos naturais para comprovar isso e atente também para a Fig. 2-44, que é bastante sugestiva. Veja que a fileira dos segundos premolares mostra uma face lingual proporcionalmente maior que as dos primeiros, mas que em cinco dentes não chega a cobrir totalmente o contorno da vestibular. A figura revela também bordas mesial e distal facilmente reconhecíveis. É o caso, por exemplo do 1º, 3º e 5º dentes da fileira de cima.

Outro detalhe melhor notado no 1PS é o vértice da cúspide lingual, que se volta para a mesial e não para a distal. Em outras palavras, o segmento mesial da aresta longitudinal dessa cúspide é mais curto que o segmento distal da mesma.

Você consegue enxergar isso? Diz-se que olhos treinados como o do professor vêem e enxergam, mas os dos alunos vêem e não enxergam! Ou enxergam e não vêem, sei lá.

Esmiúce bem a foto e perceba o desalinhamento entre os vértices das cúspides no 2º, 3º e 4º dentes da fileira superior. Os vértices das cúspides linguais estão mais à direita na foto; mais para a mesial. O 6º dente é impossível de ser reconhecido por este detalhe.

Os 2PS acompanham essa tendência, mas não muito. No 2º e 4º dentes da fileira inferior dá para sugerir fortemente o deslocamento mesial.

Daqui para frente, comece a identificar dente por dente dessa Fig. 2-44, estabelecendo números a eles e confrontando depois com os números das respostas da pág. 78.

Ao examinar o premolar por uma das faces de contato , vê-se sua coroa alargada contendo duas cúspides. Como foi mencionado, a cúspide vestibular é mais volumosa e mais alta. Esta conformação é típica do 1PS e quase imperceptível no 2PS, porque as duas cúspides se equivalem em tamanho. As Figs. 2-12, 2-13, 2-15 e 2-45 não deixam dúvida quanto a isto.

Como a face mesial é ligeiramente maior que a distal, ao exame pelo aspecto distal, é possível ver ao fundo pequena porção da crista marginal mesial. Ao exame pelo aspecto mesial não dá para ver nada da distal.

O que se vê nitidamente é um sulco ocluso-mesial, muito freqüente apenas no 1PS , que cruza a crista marginal mesial (Fig. 2-12) e que não existe no lado distal.

A última característica diferencial da face mesial do 1PS é uma depressão circular, em forma de fossa rasa, situada ao nível do colo. Essa fossa invade parte da coroa e parte da raiz. É mais fácil localizá-la nos dentes de estudo do que nas fotos do livro.

Todos esses detalhes do 1PS confirmam que ele possui uma morfologia realmente mais rica que a do 2PS.

Pela face oclusal , nota-se aquele aspecto anguloso do 1PS mencionado no começo. As Figs. 2-13 e 2-46 são pródigas em evidenciar este detalhe. Os ângulos formados pela borda vestibular com as bordas mesial e distal são evidentes. O contorno da oclusal fica então puxado para o pentagonal, não é mesmo? No 2PS os ângulos são mais suaves ou nem existem; o contorno fica sendo oval.

Outra diferença: o sulco central do 1PS é bem formado, mais longo e fica um pouco deslocado para a lingual porque a cúspide vestibular é maior. No 2PS é tudo ao contrário, como se pode comprovar nos dentes das mesmas figuras.

Finalmente, vamos observar aspectos já conhecidos como a pequena reentrância formada pelo sulco ocluso-mesial e o pequeno deslocamento da cúspide lingual para a mesial.

Infelizmente, pela vista oclusal não é possível perceber a maior altura da crista marginal mesial.

Com o que você já sabe, por certo acertará a identificação de todos os 1PS das Figs. 2-13 e 2-46. Porém... os 2PS...será que conseguirá acertar? Veja nas respostas da pág. 78 que até nós, autores do livro, tivemos dúvidas quanto à identificação.

Para terminar, vamos à porção radicular. Quando a raiz é única, apresenta-se alargada no sentido vestíbulo-lingual e achatada no sentido mésio-distal. Tão achatada a ponto de ser profundamente sulcada, como nos incisivos laterais inferiores, e mostrar em secção transversal uma forma de oito ou de haltere.

Quando há duplicidade, a divisão radicular costuma ser no terço médio; às vezes o bulbo radicular é maior e a divisão ocorre no terço apical. Nos dois casos, a raiz vestibular costuma ser maior que a lingual. Tão maior que não raro também se duplica no 1PS (2% de dentes trirradiculares) e/ou passa a ter três canais (7%).

A prevalência de premolares birradiculares é de cerca de dois terços entre os 1PS e um terço entre os 2PS. A prevalência é invertida ao se considerar premolares monorradiculares.

Estudo dirigido sobre premolares inferiores

Evitar decorar simplesmente os assuntos. Realizar esforços para entendê-los. Melhor ainda, buscar suas próprias conclusões ou sua opinião própria sobre o assunto estudado, após reflexão (construir o seu conhecimento).

Continuamos achando que a melhor maneira de estudar anatomia dental é fazendo comparações entre dentes semelhantes ou dentes homônimos. Fica sendo um estudo mais rico, de maiores possibilidades. Mas, de modo algum vá direto ao quadro resumido de diferenças anatômicas e nem às fotos das fileiras de sete dentes. Tenha disciplina consciente; leia o texto explicativo inicial. A teoria. Pág. 44 do livro Anatomia do Dente, 4ª ed., 2005.

Os premolares inferiores (1PI e 2PI) diferem dos superiores por apresentarem uma face vestibular bastante inclinada para a lingual, cúspide lingual pequena, sulco central curvo ou dividido por uma ponte de esmalte em duas fossetas, presença de sulco ocluso-lingual e raiz menos aplanada (mais cônica). Estas são suas características principais. Vamos detalhá-las.

A face vestibular da coroa dos premolares inferiores é muito parecida com a dos superiores, mas é mais simétrica. Olhos treinados não conseguem, muitas vezes, distinguir a borda mesial e a distal. Dentro daquele conhecido princípio da mesial mais reta e mais alta, tente você reconhecer os 14 dentes da Fig. 2-47. Difícil, não? Foi difícil também para os autores que registraram algumas dúvidas nas respostas da pág. 78. Deve-se ressalvar que essas respostas foram dadas, tendo em vista a análise das fotografias, sem que tivéssemos acesso aos próprios dentes. O desvio distal da raiz ajuda na identificação, mas não se pode confiar nesse recurso porque, como já foi dito, pode haver uma inversão do desvio.

Comparando-se a face vestibular do 1PI com a do 2PI, nota-se a tendência deste último ser mais largo e com cúspide mais baixa, isto é, com as arestas longitudinais menos inclinadas.

Nós tentamos evidenciar isto no desenho da Fig. 2-18. Confira.

Nenhum dente mostra tanto de sua face oclusal pelo aspecto lingual quanto o premolar inferior. Principalmente o 1PI. A razão disso é a inclinação da face vestibular para a lingual e o tamanho diminuto da cúspide lingual.

Além do maior tamanho de sua cúspide vestibular, os premolares também se encaixam dentro daquela condição geral das faces de contato convergirem para a lingual, no sentido horizontal. Portanto, a face lingual tem que ser menor que a vestibular, o que é melhor notado no 1PI.

Olhe com atenção dentes secos naturais para comprovar isso e também as Figs. 2-16 e 2-21.

Sulcos ocluso-linguais são freqüentes nesses dentes. No 1PI, o sulco inicia-se na fosseta mesial, quando esta é formada e no 2PI inicia-se no segmento distal do sulco central. Mesmo que este último sulco não seja bem caracterizado, em seu lugar aparece uma depressão como se fosse um sulco mais largo. Portanto, no 1PI, sulco deslocado para a mesial e no 2PI, sulco deslocado para a distal.

Passe a examinar agora os seus modelos pelas faces de contato. Utilize as Figs. 2-19 e 2-48 para ajudá-lo. Comprove que a face vestibular é realmente inclinada em direção lingual. Tão inclinada que atrai o ápice da cúspide vestibular para o longo eixo do 1PI. A inclinação excessiva deixa a face vestibular bastante convexa, com a bossa cervical muito proeminente.

Por esta vista, fica evidente a desproporção entre as cúspides linguais do 1PI e do 2PI. O primeiro é caniniforme e o segundo é molariforme.

Quem pensa que é fácil identificar a face mesial desses dentes, se engana. No 2PI ainda pode-se notar bem uma mesial mais larga e mais alta, mas no 1PI é comum a mesial ser mais baixa que a distal.

A face oclusal do 1PI tem uma periferia oval e a do 2PI, uma periferia circular.

O sulco central é habitualmente curvo, mas nem sempre é evidente. É muito comum, no 1PI, esse sulco ser interceptado por uma ponte de esmalte, que o transforma em duas fossetas, sendo a mesial menor e mais deslocada para a vestibular e ligada à borda lingual por um pequeno sulco.

O 2PI geralmente mostra um sulco completo, com uma ramificação em direção línguo-distal, que lhe dá uma forma de Y. Esse sulco ocluso-lingual chega a dividir a cúspide lingual em duas, sendo que a disto-lingual é de menor tamanho que a mésio-lingual. Quando essas cúspides linguais são consideravelmente grandes, o 2PI tricuspidado passa a ter o lado lingual maior que o vestibular, ocasionando uma exceção para a regra da direção convergente das faces de contato para a lingual no sentido horizontal.

As Figs. 2-17 e 2-49 irão ajudá-lo(a) a reconhecer as faces oclusais mais comuns dos dois premolares inferiores. Identifique cada um desses 14 dentes e compare, como sempre, com as respostas da pág. 78.

Quanta particularidade, não?! Só mesmo com o tempo e com a prática clínica você irá reter na memória todas essas particularidades! Mas, o início está aqui, na Anatomia. Não tem como fugir deste estudo. Imagine só, se você não souber distinguir um molar superior de um molar inferior na disciplina de Dentística ou de Prótese que vêm vindo aí... Imagine se você não colocar um sulco no lugar certo ou deixar de fazer uma bossa cervical vestibular ao esculpir uma coroa para o seu futuro paciente...

A raiz, tem sua forma básica cônica, mas é mais estreitada pelo aspecto vestibular ou lingual e mais larga quando observada por mesial ou distal. No lado mesial do 1PI é freqüente o aparecimento de um sulco longitudinal, muitas vezes transformado em fissura.

Comprove isso na Fig. 2-48, nos 3º, 5º, 6º e 7º dentes da fileira de cima. A fissura pode se aprofundar tanto, a ponto de provocar a bifurcação das raízes e isso não ocorre poucas vezes (6,5%).

O mais espantoso é o número enorme de dois canais para esse dente (27,1%). Bifurcação radicular do 2PI é mais rara (1,7%). Dois canais também (4,5%). Esses dados são próprios e a amostragem beirou os 4.000 exemplares de premolares.

Mais detalhes podem ser obtidos na pág. 107.

©Copyright 2017 anatomiafacial Todos os direitos reservados